“E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. Gênesis 1:27”

BREVES DEFINIÇÕES:
Homem: pessoa do sexo masculino. (dicio.com.br)
Mulher: aquela cuja características biológicas definem o ser feminino. (dicio.com.br)
Ideologia de gênero: é uma expressão usada pelos críticos da ideia de que os gêneros são, na realidade, construções sociais. (significados.com.br)

Quando lemos a bíblia, aprendemos que Deus criou o homem e a mulher, macho e fêmea. Não há na bíblia nenhuma outra expressão que possa indicar a existência de outro tipo de humano tenha sido criado.

A ideologia de gênero afirma que ser homem ou ser mulher é uma construção social, ou seja, não importa o sexo biológico o ser humano tenha ao nascer, ele nasce sem sexo e no futuro poderá escolher se será um menino ou uma menina. No entanto, isso torna-se um problema quando esse tipo de pensamento afeta crianças que são influenciadas facilmente e irão aceitar aquilo que for dito por seu responsável, professor da escola, parentes, e até mesmo aquilo que elas vêm na televisão.

Desde o nascimento até a puberdade ocorre a formação psicológica do futuro adulto, essa é uma fase na qual será muito significativa em relação ao tipo de humano essa pessoa será no futuro. Desta forma, meninos e meninas precisam ser tratados de acordo com o sexo que elas nasceram, do contrário, teremos uma sociedade adulta doente psicologicamente, formada por pessoas com transtorno de identidade de gênero.

Biologicamente falando, existem somente dois tipos de seres humanos: XX e XY, podendo então nascer somente homem ou mulher. Qualquer outra forma que alguém venha a nascer é considerada uma desordem na formação humana.

Têm-se somente dois sexos biológicos: Masculino e Feminino, o indivíduo precisa ser educado, criado e incentivado a desenvolver-se como tal. Mesmo que, um dia ele venha a sentir-se como alguém do sexo oposto, não pode-se criar um terceiro sexo porque somente existe homem e mulher. Quando um menino sente-se como uma menina ou vice-versa existe uma confusão psicológica que precisa ser cuidada pois ali há um problema na mente e não no corpo. Portanto, a afirmação que é feita: nasci no corpo errado! Não pode ser utilizada, uma vez que a única coisa que está errada é a mente do
indivíduo, chama-se isso de transtorno de identidade de gênero.

Segundo Norman L. Geisler, no seu livro de nome Ética Cristã, p.342, “Não existe nenhuma evidência científica inquestionável que apoie o argumento de que tendências homossexuais são genéticas. Pelo contrário, há muitas evidência de que esse tipo de comportamento pode ser aprendido […] Mesmo que houvesse uma tendência herdada que induzisse a atitude homossexual, ainda assim isso não justificaria a prática de atos homossexuais”. Ainda segundo o mesmo autor p. 342 “A bíblia declara que a homossexualidade é “inatural” e que surge quando um indivíduo “abandona” suas inclinações naturais”. Em Romanos 1: 26-27 tem-se o seguinte embasamento: “Pelo que Deus os abandonou as paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro”.

Segundo uma das associações médicas de pediatria mais influente dos Estados Unidos, a American College of Pediatricians, em nota afirmam que “condicionar as crianças a acreditar que uma vida inteira de personificação química e cirurgia do sexo oposto é normal e saudável é abuso infantil”.

Escolas e atém mesmo famílias não podem influenciar as crianças a serem aquilo que elas não nasceram para ser. Não há argumento que possa tornar plausível algo com consequências psicológicas tão graves. Não é apenas uma questão moral, é também biológica, psicológica e social.

REFERÊNCIAS:
GEISLER, N. L. Ética Cristã: opções e questões contemporâneas. 2a ed. São Paulo: Vida Nova, 2010.
BÍBLIA DE ESTUDO MATTHEW HENRY. Editora Central Gospel. Rio de Janeiro, 2014.
CRETELLA, M.; VAN METER, Q.; MCHUGH, P. Gender Ideology Harms Children. American College of Pediatricians. 2017.

Deixe uma resposta

Fechar Menu